Tratamento da Osteoporose: tudo que você precisa saber.

Tratamento natural da osteoporose

Ao longo de sua vida, você testemunhou o milagre do seu corpo se recuperando de resfriados, dores de cabeça, cortes e muito mais … por si só … naturalmente. Mas quando você perde massa óssea e possui ossos fracos, de alguma forma assume-se que a natureza não está à altura da tarefa.

Pense nisso. Por que quando você perde massa muscular, tem certeza de que pode fortalecê-la naturalmente – com exercícios, descanso e nutrição … mas quando você perde massa óssea , o fortalecimento natural é descartado?

Remodelar ossos é como reformar uma casa ao longo de sua vida. À medida que partes da casa ficam desgastadas e desatualizadas, elas são substituídas por novas. Quando a tinta envelhece, você repinta. Quando o tapete estiver gasto, você o substitui. Da mesma forma, pequenos pedaços desgastados de seus ossos estão sendo substituídos constantemente. Esse processo de demolição e construção nunca pára por toda a sua vida, se você tem 5 ou 105 anos.

Durante a primeira metade da sua vida, o novo osso é compactado mais rapidamente do que o antigo, e você experimenta um AUMENTO líquido da densidade óssea. Mas, aos 40 anos, você começa a descartar mais ossos do que acrescenta, com o resultado líquido sendo uma DIMINUIÇÃO anual da densidade óssea.

Conteúdo

Ossos frascos, quem vai querer?!

Assim, a partir dos 40 anos, nossa remodelação óssea cria uma perda óssea média de 1% ao ano todos os anos até a morte. (Nos primeiros 6 a 10 anos após a menopausa, pode ser mais de 2% ao ano devido a alterações hormonais). Se vivermos o suficiente, todos nós declinamos para um ponto chamado osteopenia e, em seguida, à medida que a densidade óssea diminui ainda mais, osteoporose – o ponto em que nossos ossos são perigosamente frágeis.

Então, seus ossos são como músculos – que podem ser fortalecidos com um esforço natural combinado? Você pode interromper sua perda óssea anual naturalmente? A osteoporose pode ser revertida naturalmente?

A resposta é: Sim, você pode construir ossos novos e saudáveis ​​em qualquer idade, naturalmente!

Mas primeiro…

O que é osteoporose?

A osteoporose, “ ossos porosos ”, é uma doença que faz com que os ossos se tornem quebradiços e muito suscetíveis a fraturas. Essas fraturas geralmente ocorrem no quadril, coluna vertebral e punho. Uma fratura ou osso quebrado pode ter um efeito enorme em sua vida, causando incapacidade, dor ou perda de independência. As fraturas podem dificultar muito as atividades diárias sem ajuda. E, infelizmente, a International Osteoporosis Foundation atualmente estima que 1 em cada 3 mulheres e 1 em cada 5 homens com mais de 50 anos sofrerão uma fratura osteoporótica.

Diagnóstico e Teste de Osteoporose

A osteoporose é freqüentemente chamada de “doença silenciosa” porque existem poucos sinais de alerta e são fáceis de ignorar. Dito isto, existem alguns sintomas pelos quais você pode ficar de olho. Visite nossa página de sinais e sintomas de osteoporose para obter uma lista completa! Mas o melhor método para diagnosticar a osteoporose é um teste de densidade mineral óssea, chamado DEXA . Recomenda-se fazer um teste de densidade óssea se:

  • Você é uma mulher com 65 anos ou mais
  • Você tem 60 anos e risco aumentado de osteoporose – veja nossos fatores de risco abaixo

Além de um teste de densidade mineral óssea, a seguir estão os testes básicos que você deve considerar para descobrir potencialmente a causa raiz da sua perda óssea:

Teste de vitamina D

25 (OH) D é um teste que verifica os níveis sanguíneos de 25 (OH) D, que é a principal forma de vitamina D que circula na corrente sanguínea. É também o verdadeiro barômetro do seu status de vitamina D. Exige uma coleta de sangue ou um teste de picada no dedo.

O suprimento adequado de vitamina D é indicado por níveis sanguíneos de 25 (OH) D de pelo menos 30 ng / ml (nanogramas por mililitro) ou 75 nmol / L (nanomoles por litro). Os níveis ideais são 50-80 ng / ml (125-200 nmol / L), dependendo de qual forma de medição - ng / ml ou nmol / L - o laboratório que executa seu exame de sangue usa para relatar os resultados.

O Conselho da Vitamina D recomenda suplementar com 5.000 UI de D3 / dia por 3 meses e depois executar este teste. Idealmente, você deve verificar seu status de vitamina D antes de começar a suplementar com D3 e depois novamente após 3 meses para garantir que está ingerindo vitamina D suficiente, mas não mais do que o necessário. Muitos laboratórios oferecem esse teste.

Tipo de teste: Teste de coleta de sangue ou de sangue seco (Teste de picada no dedo).

Nomes alternativos: Teste circulatório de vitamina D, teste 25-hidroxi-vitamina D.

* Não confunda com o teste de 1,25 (OH) ₂D, que é outro tipo de teste de vitamina D que não informa se você está recebendo vitamina D.

Teste de vitamina K

Pra verificação da vitamina K é possível realizar exames que medem os níveis de osteocalcina. Esse exame verifica os níveis sanguíneos de osteocalcina não carboxilada (ou inativa). A osteocalcina é a proteína que, uma vez ativada pela vitamina K2, traz cálcio para dentro dos ossos. Um alto nível indica que você não está recebendo K2 suficiente para ativar sua osteocalcina e, portanto, sua capacidade de fornecer cálcio aos ossos é prejudicada. Um nível alto indica a necessidade de uma dose mais alta de vitamina K2 suplementar.

Tipo de Teste: Teste de Sangue

Nomes alternativos: Teste de sangue da vitamina K, Análise de sangue do soro da vitamina K

Índice Omega 3

Esse teste, verifica os níveis de ácidos graxos ômega-3 de cadeia longa, EPA e DHA, nos glóbulos vermelhos. Também informa a proporção de ácidos graxos ômega-6: ômega-3 presentes. EPA / DHA são gorduras altamente anti-inflamatórias que desempenham papéis cruciais na prevenção da inflamação crônica e, portanto, na proteção dos ossos, cérebro e sistema cardiovascular.

Os ômega-6, embora também protejam nossa saúde quando em equilíbrio com nossos ômega-3, tendem a promover inflamação quando seus níveis são excessivamente altos. Os melhores resultados são um índice de 8% e uma relação ômega-6: ômega-3 inferior a 4: 1.

Tipo de teste: Teste de sangue seco (Teste de picada no dedo)

Nome alternativo: OmegaQuant Omega 3 Index

Teste CTx

O teste CTx ou telopeptídeo C-terminal (o nome completo é "ligações cruzadas de colágeno carboxi-terminal") mede uma sequência peptídica de reticulação específica do colágeno tipo I encontrada no osso; a porção clivada pelos osteoclastos durante a reabsorção óssea. Os níveis sanguíneos dessa sequência peptídica são proporcionais à atividade osteoclástica no momento em que a amostra de sangue é coletada.

O CTx pode informar se sua taxa de remoção óssea está dentro dos níveis normal, baixo ou elevado. Faça o teste de CTx no soro (sangue); resultados do teste de urina CTx pode flutuar, tornando-o não confiável. Vários laboratórios oferecem CTx.

Tipo de teste: exame de sangue ou exame de urina - embora o exame de sangue seja recomendado, pois o exame de urina pode não ser confiável.

Nomes alternativos: C-Telopeptídeo, Soro, CTX, Beta-Crosslaps

23 & Me

23 & Me é um teste de saliva que analisa variações em seus genes chamados SNPs (Polimorfismos de nucleotídeo único). Depois de executar o 23 & me, você poderá acessar seu arquivo de dados brutos, que poderá ser adicionado a outras ferramentas de promoção da saúde. Essas ferramentas podem analisar suas necessidades exclusivas de vários nutrientes e informar se você precisa de mais nutrientes, como a vitamina D3, do que as pessoas comuns. Eles também podem informar se você precisa de mais nutrientes em suas formas ativadas, como o B12 em sua forma ativada de metilcobalamina.

Tipo de Teste: Teste de Saliva

Teste de desafio de metais pesados

Este é um teste em duas partes que avalia as concentrações de metais pesados na urina antes e após a administração de um quelante. Um quelante (normalmente DMSA ou DMPS) provoca a liberação de metais pesados dos ossos e outros tecidos na corrente sanguínea e, em seguida, na urina. Portanto, é capaz de estimar a carga corporal de metais pesados. Níveis tóxicos de chumbo, mercúrio e cádmio são surpreendentemente comuns em indivíduos com 50 anos ou mais e todos causam perda óssea.

Tipo de Teste: Teste de Urina

Nomes alternativos: Teste de metais pesados, Teste de desafio à urina, Provocante teste de metais pesados

Teste Intracelular de Magnésio

O teste EXA envolve a limpeza de células epiteliais de debaixo da língua. A maioria dos médicos verifica os níveis séricos (sanguíneos) de magnésio, mas isso fornece uma avaliação muito imprecisa do seu status real de magnésio, pois apenas 1% do magnésio do seu corpo circula na corrente sanguínea; os 99% restantes são encontrados dentro de suas células, onde ele faz seu trabalho. Assim, você pode ter níveis séricos de magnésio aparentemente adequados, mas ser seriamente deficiente dentro das células, onde é importante.

Tipo de teste: Coleta de amostras de 60 segundos (esfrega as células epiteliais de debaixo da língua).

Nome alternativo: Medição intracelular de magnésio

Teste hormonal na urina de 24 horas

Esse teste abrangente de hormônio na urina, oferecido por alguns laboratórios, dentre eles o Meridian Valley Labs, envolve a coleta de urina por 24 horas. Após o qual várias amostras são enviadas ao laboratório em pequenos frascos e analisadas para DHEA, estrógenos, progesterona, hormônios adrenais, hormônios da tireóide - e muito mais. Os resultados podem indicar e servir como um guia para a reposição hormonal bioindividual altamente individualizada.

Tipo de teste: Teste de urina de 24 horas

Nome alternativo: Teste de hormônio da urina abrangente, 24 horas por dia

Teste de sensibilidade alimentar de IgG

Esses testes, envolvem uma coleta de sangue e verificam a sensibilidade ao glúten, a reatividade cruzada e outros alimentos alergênicos comuns. Você não pode ter problemas digestivos e ainda pode ter perda óssea causada por glúten ou outras reações de sensibilidade alimentar. Não apenas a sensibilidade total, mas a sensibilidade "subclínica" ao glúten (a proteína do trigo) agora está sendo reconhecida como uma causa significativa de inflamação crônica que promove a perda óssea.

Tipo de Teste: Teste de Sangue

Nomes alternativos: Teste de alergia alimentar IgG, Teste de intolerância alimentar IgG

Análise abrangente das fezes digestivas

A análise digestiva abrangente das fezes (CDSA) requer uma amostra de fezes e fornece uma avaliação abrangente da saúde e função gerais do trato digestivo. Por exemplo, bactérias saudáveis e patogênicas, ou seja, há boas bactérias por aí? As bactérias ruins estão atrapalhando a digestão e causando inflamação? E eficácia da digestão, isto é, são absorvidos nutrientes como proteínas, ácidos graxos essenciais, B12, minerais, vitaminas lipossolúveis?

Tipo de teste: Amostra de fezes

Nome alternativo: Análise digestiva das fezes, Teste gastrointestinal

Esses laboratórios devem ser bem reconhecidos pela maioria dos médicos. No entanto, se o seu médico não estiver familiarizado, ele estará amplamente disponível – e você deve perguntar. Descobrir sensibilidades alimentares, deficiências ou predisposições genéticas ajudarão você a identificar sua perda óssea e dar-lhe a oportunidade de pará-la – e até recuperar sua saúde óssea!

Novamente reafirmamos, converse com o seu médico!

Causas e fatores de risco para osteoporose

A partir dos 40 anos, perdemos cerca de 1% de nossa densidade óssea a cada ano! Dito isso, você deve estar ciente da litania de causas e fatores de risco que podem aumentar suas chances de osteoporose.

As principais causas da osteoporose

Esteja atento aos seguintes gatilhos da osteoporose. Alguns virão com nenhuma surpresa. Mas outros podem gerar surpresa. Aqui estão algumas causas previsíveis:

No entanto, existem outros. (Incluindo os mesmos medicamentos que você toma para combater a osteoporose.) Em breve entraremos nos medicamentos para osteoporose.

Tudo isso dito, uma das principais causas da osteoporose são os nutrientes insuficientes para ossos saudáveis. Isso significa que não é suficiente o “material bom” (cálcio, magnésio, boro, estrôncio e outros minerais, vitaminas D3, K2, A, E, C, B e ácidos graxos ômega 3). E isso significa muitas coisas ruins (ingestão excessiva de compostos pró-inflamatórios como açúcar refinado, pesticidas e desreguladores endócrinos). Confira o artigo a seguir para obter uma lista abrangente das causas da osteoporose e como você pode obter mais do “bom” e evitar o “ruim”.

Fatores de risco para osteoporose

No passado, a osteoporose era considerada uma doença da mulher. Agora sabemos que os homens também precisam se preocupar com ossos fracos e correm o risco de osteoporose. De fato, um em cada quatro homens com mais de 50 anos sofrerá uma fratura causada pela osteoporose. Os seguintes fatores podem aumentar suas chances de desenvolver osteoporose.

No entanto, alguns deles podem estar fora de controle, como a sua idade – e tudo bem. A mensagem é esta: você NÃO está condenado. Francamente, você pode fazer algo sobre a sua perda óssea depois de saber o que está causando isso. Volte à nossa seção de testes de osteoporose e diagnóstico acima para identificar o que é isso para você.

  • Seu sexo – as fraturas causadas pela osteoporose são duas vezes mais comuns em mulheres do que em homens. E de acordo com a Fundação Nacional de Osteoporose, aproximadamente 80% dos americanos que vivem com osteoporose são mulheres! Isso deve-se à biologia: os ossos das mulheres são naturalmente mais finos e começam com menos densidade óssea do que os homens. O drástico declínio do estrogênio durante a menopausa também não ajuda, levando a massa óssea com ele. 
  • Idade – Seus ossos ficam mais fracos com a idade. Como mencionado acima, aos 40 anos, todos tendemos a perder 1% ou mais da nossa massa óssea a cada ano. Ao longo da vida, você pode esperar perder 45-50% da sua massa óssea!
  • Raça – caucasianos e asiáticos do sudeste têm maior risco de osteoporose, com mulheres brancas tendo o maior risco de fratura. Homens e mulheres negros e hispânicos têm um risco menor, mas ainda significativo. Para ilustrar a grande variação na saúde óssea, dependendo da etnia, o risco de fratura de quadril aos 50 anos é de 15,8% e 6,0% em mulheres e homens americanos, respectivamente, enquanto os mesmos números para mulheres e homens chineses são de 2,4% e 1,9%. 
  • História da família – Ter um membro da família com osteoporose aumenta o risco, pois a osteoporose é genética. De fato, um estudo publicado na revista médica online Nature Genetics mostrou até 32 regiões genéticas ligadas à osteoporose e à probabilidade de fraturas. Um dos autores do estudo alertou que pode haver de fato mais de 500 variantes genéticas influenciando a osteoporose. Além disso, vários estudos concordam que medidas de saúde óssea – como a densidade mineral óssea – têm 60 a 80% de probabilidade de serem explicadas pela hereditariedade. Os genes da sua família têm uma influência significativa no destino dos seus ossos!
  • Tamanho corporal – Indivíduos magros ou com estrutura corporal pequena têm um risco mais alto porque têm menos massa óssea. Este é auto-explicativo. Quanto menos massa óssea uma pessoa tiver, maior a probabilidade de o osso se tornar quebradiço, pois há menos densidade para protegê-lo. A osteoporose cria mais buracos no seu osso – seus ossos se tornam mais porosos -, e esse problema é amplificado quando o osso já é mais fino que a maioria!
  • Câncer de mama – As mulheres que tiveram câncer de mama têm um risco aumentado de osteoporose, principalmente se forem tratadas com quimioterapia. O Instituto Nacional de Artrite e Doenças Musculosqueléticas e de Pele relata que, devido à perda da função ovariana durante o tratamento do câncer, os níveis de estrogênio caem. E, como destacamos no ponto anterior, uma redução no estrogênio promove a perda óssea. O Estudo Observacional da Iniciativa de Saúde da Mulher, patrocinado pelo Instituto Nacional de Saúde (WHI-OS), também descobriu que as sobreviventes de câncer de mama tinham maior risco de fraturas.
  • Dieta – Uma dieta carente de cálcio (e muitos outros nutrientes adequados para os ossos) desempenha um papel importante no desenvolvimento da osteoporose. Isso pode parecer óbvio, mas não apenas é importante consumir cálcio, é importante que você obtenha os tipos certos de cálcio. Suplementar com o cálcio comprado na loja não é a melhor maneira de obter o suficiente e esperar evitar a osteoporose.

Aqui está o porquê: os suplementos de cálcio que você está engolindo são realmente feitos de rocha. É isso mesmo … mármore e calcário para ser mais preciso. E nossos corpos não são projetados para absorver os ingredientes das rochas. Não é um tratamento natural para a osteoporose, como o cálcio derivado de fontes orgânicas, como alimentos e plantas. É por isso que você deve ser cuidadoso com o tipo de cálcio que coloca no seu corpo!

Recomendamos uma fonte de cálcio à base de plantas que realmente contenha cálcio adequado e outros minerais essenciais dos quais seus ossos são feitos e que precisam diariamente! De fato, essa fonte natural de cálcio espelha a mesma composição mineral em seus ossos. E nenhum suplemento de cálcio de rocha de um ingrediente pode afirmar isso.

Medicamentos que causam osteoporose

Com a lista completa de efeitos colaterais que acompanham a maioria dos medicamentos prescritos, é de surpreender que existam 15 classes conhecidas de medicamentos que promovem a perda óssea? Leia para ver se você está usando algum deles agora.

Classes de drogas conhecidas por causar perda óssea

A nutrição e o exercício adequados são os pilares da construção de novos ossos saudáveis, mas evitar os compostos destruidores de ossos também é fundamental. Você provavelmente já entende que fumar ou tomar mais de duas bebidas alcoólicas por dia são sabotadores ósseos comprovados. Você pode até ter lido sobre os perigos da água potável fluoretada nos ossos – mas provavelmente não percebe que os medicamentos mais comuns contribuem para a osteoporose.

Aqui estão alguns itens que atualmente são conhecidas por desempenhar um papel ou causar osteoporose:

Classe de medicamento e para que são comumente prescritos:

  • AINEs – Anti-inflamatórios não esteróides: alívio da dor, especialmente dor artrítica
  • Corticosteróides: uma ampla variedade de condições, incluindo inflamação em todo o corpo
  • Contraceptivos hormonais: pílulas anticoncepcionais, injeções de controle de natalidade
  • Inibidores da Aromatase: tratamento do câncer
  • Agonistas liberadores de gonadotrofina: endometriose, câncer de mama, câncer de próstata
  • Anticonvulsivantes: epilepsia, dor bipolar, neuropática
  • Benzodiazepínicos: depressão, esquizofrenia, insônia
  • Antidepressivos: depressão, ansiedade
  • Agentes de sensibilização à insulina: diabetes tipo 2
  • Medicamentos para a dor opióides: tratamento da dor severa
  • Inibidores da calcineurina: supressão do sistema imunológico
  • Antiácidos / inibidores da bomba de prótons e bloqueadores dos receptores H2: indigestão, azia
  • Diuréticos de alça: pressão arterial, cirrose hepática
  • Coagulantes sanguíneos: evitam a coagulação excessiva do sangue
  • Medicamentos para a tireóide: todos os problemas relacionados à tireóide

Por favor, consulte o seu médico antes de parar ou alterar a dosagem de qualquer medicamento. Somente seu médico e você podem decidir os riscos versus os benefícios de um medicamento. 

4 maneiras de tratar a osteoporose, naturalmente

Nunca é tarde ou muito cedo para tratar naturalmente a osteoporose. Sim, tomar medidas preventivas é a melhor defesa contra a osteoporose. Mas nunca é tarde para fazer pequenas alterações na maneira como você vive …

  • Estilo de vida saudável: para tratar (ou se defender contra) a osteoporose naturalmente, você deve praticar bons hábitos. Descanso adequado é um deles. Os estudos demonstraram que a falta de sono pode afetar a saúde dos ossos, afetando a maneira como os ossos se reparam. E você pode empilhar as probabilidades a seu favor ao incluir os seguintes ingredientes-chave em sua vida cotidiana.
  • Exercício: Vá lá e seja ativo! Demonstra-se que o exercício diminui a perda óssea e melhora a força muscular. Os músculos estão ligados ao osso e, portanto, podem influenciar sua saúde. Com ossos fortes vem forte postura e movimento. Por ter ossos mais fortes, você pode limitar as quedas que causam danos aos ossos, porque você pode se mover livremente com confiança.

A maioria dos tipos de exercícios é boa, mas seus ossos desejam acima de tudo exercícios de sustentação de peso . É qualquer tipo de exercício em que seu corpo trabalha contra a gravidade. Não se preocupe, pois inclui tudo, do mais simples ao mais intenso: caminhar, dançar, correr, ioga, levantar pesos, jardinagem e jogar tênis, todos contam!

  • Evite toxinas que destroem os ossos: você não precisa se preocupar apenas com alimentos pró-inflamatórios (como farinha branca processada, conservantes e açúcar). Seu entorno também é importante. Produtos de limpeza domésticos, maquiagem e até produtos de beleza podem contribuir para a toxicidade no corpo e promover a perda óssea. Além disso, os medicamentos mais comumente prescritos também podem danificar seus ossos, o que foi discutido acima.
  • Uma abordagem multinutriente: como tudo relacionado ao seu corpo, sua dieta afeta diretamente sua saúde óssea. E grande parte da equação está interligada: pouco cálcio prejudicará seus ossos. Muito pouco magnésio, mesmo resultado. Pouca vitamina D3 e você não será capaz de absorver cálcio. E pouca vitamina K2, e você não poderá ativar as proteínas que colocam cálcio nos ossos e mantê-lo fora das artérias! A proteína também é crucial, pois fornece a estrutura estrutural para os ossos – e é vital para o crescimento muscular. E como você não deve apenas comer para acomodar uma ou duas vitaminas ou minerais, é importante visualizar sua dieta como um todo.

    É fundamental garantir que você siga uma dieta anti-inflamatória o máximo possível. Quanto menos inflamação no corpo, menos problemas você terá ao longo – incluindo os ossos! Uma dieta rica em vegetais, frutas, peixes e grãos integrais, como quinoa e arroz integral, ajudará bastante a combater a inflamação. Provavelmente é óbvio, mas evitar o excesso de açúcar, alimentos processados ​​e ingredientes artificiais ajudará muito a preservar a densidade mineral óssea … e afastar a osteoporose.

    Se você escolhe medicamentos ósseos para tratar sua osteoporose ou não, precisa de suporte nutricional adequado. Seus ossos precisam de cálcio, mas também precisam muito mais do que isso! Eles precisam de magnésio, vitamina K2, vitamina D3, vitamina C, boro e minerais. Então, de onde você tira esse suporte nutricional? Com a osteoporose, é difícil obter nutrição suficiente apenas dos alimentos…

Uma abordagem multi-nutriente para a osteoporose

O problema dos suplementos de cálcio comprados em lojas – além de serem baseados em rochas – é que eles são uma solução de elemento único para um problema de vários nutrientes. Isso ocorre porque seus ossos são compostos de 13 minerais. O cálcio é apenas um dos minerais que seus ossos precisam. Você também precisa de zinco, magnésio, vanádio, estrôncio, sílica, boro e muito mais. Cada mineral desempenha um papel único na saúde do seu osso.

Portanto, a ênfase de hoje em apenas um mineral é uma supervisão. Superposição de litotâmnio – tratamento da osteoporose sem outros minerais presentes, o cálcio não consegue fazer o seu trabalho! Por que alimentar seus ossos com um ingrediente quando, de fato, eles precisam de muito mais?

Por isso, criamos um suplemento de cálcio com vários nutrientes que é um tratamento natural para a osteoporose. Na verdade, é extraído diretamente de um superalimento à base de plantas, desde as costas imaculadas da América do Sul.

Esse superalimento é chamado superposição de Lithothamnion (ou Algas calcareas, como os locais chamam) . É uma alga marinha rara que imita a composição mineral dos seus ossos. Por serem à base de plantas, os minerais que seus ossos desejam já são “pré-digeridos” pelas algas. Isso significa que seu corpo tem muito mais facilidade para absorver os nutrientes, obtendo o efeito completo de construção óssea que nos permite garantir maior densidade e saúde para seus ossos.

Este suplemento natural de cálcio é chamado BIOMAC Cálcio Vegetal Marinho. Cálcio, magnésio, ferro, silício e demais minerais tornam o BIOMAC Cálcio Vegetal Marinho a solução natural de que seus ossos precisam para se manterem ou se tornarem saudáveis.

Mas há outro mineral que você talvez nunca tenha ouvido falar, chamado estrôncio. Em sua forma natural (citrato de estrôncio), o estrôncio ajuda a estimular as células de construção óssea e inibe a reabsorção óssea natural. Esse “golpe duplo” é crucial para manter ossos fortes e saudáveis, independentemente da sua idade.

De fato, o estrôncio é um poderoso auxiliar do nosso suplemento BIOMAC Cálcio Vegetal Marinho. Usar o estrôncio com o BIOMAC Cálcio Vegetal Marinho pode melhorar a taxa de construção óssea ao longo dos anos!

O Biomac não é simplesmente um suplemento de cálcio que fornece apenas um elemento: Cálcio. É uma mistura de alguns minerais essenciais para os ossos e nutrientes de plantas. A mãe natureza tem muito para oferecer. 

Quer saber mais a respeito do nosso BIOMAC Cálcio Vegetal Marinho, consulte a página onde falamos mais sobre ele! 

Notícias de Saúde Óssea

BIOMAC TE INFORMA