Não é de surpreender que não ter zinco suficiente afete adversamente a saúde de várias maneiras. Prejudicar o crescimento físico (incluindo o de nossos ossos) e interromper a remodelação óssea saudável, a função imune, a função da tireóide, a função reprodutiva e as funções sensoriais do cérebro (como paladar e olfato).

Quando a ingestão de zinco é inadequada, o zinco não está mais disponível por seus muitos papéis biológicos importantes no osso. O zinco desempenha um papel crítico na formação de colágeno, promove a proliferação de nossas células construtoras de ossos, os osteoblastos, e é necessário para a criação da matriz óssea e sua calcificação pelos osteoblastos. Em outras palavras, não podemos efetivamente construir ossos sem zinco.

O papel do zinco no osso é estrutural porque o mineral ósseo é composto por cristais de hidroxiapatita, que contêm zinco, e formativo porque o zinco é necessário para a atividade dos osteoblastos. Além disso, o zinco promove a mineralização óssea através do seu papel como cofator da enzima de construção óssea, a fosfatase alcalina óssea.