O selênio é um mineral essencial para a saúde óssea por dois motivos:

Por esses motivos, um suprimento insuficiente de selênio altera negativamente o metabolismo ósseo, promovendo a perda óssea.

Vários estudos já confirmaram que os níveis sanguíneos de selênio estão inversamente relacionados à taxa de renovação óssea: o baixo selênio resulta em maior reabsorção óssea e perda de DMO, enquanto o selênio adequado se correlaciona com a menor reabsorção óssea e o aumento da DMO.

Um dos maiores desses estudos, o Osteoporosis and Ultrasound Study (OPUS), um estudo prospectivo de 6 anos de 2.374 mulheres pós-menopáusicas saudáveis ​​de cinco cidades europeias, confirmou que o status do selênio afeta a renovação óssea e a densidade mineral óssea (DMO) e é probabilidade de afetar a suscetibilidade à fratura.

Nesse grande grupo de mulheres saudáveis ​​na pós-menopausa européia, níveis mais altos de selênio foram associados à maior DMO do quadril, tanto na entrada do estudo quanto após os 6 anos de acompanhamento. Por outro lado, níveis mais baixos de selênio foram associados a maiores taxas de renovação óssea e menor DMO. Se isso se traduzia em aumento do risco de fratura não era tão claro – em parte porque mesmo as mulheres com pouco selênio não eram totalmente deficientes e também porque o acompanhamento era de apenas 6 anos. Os pesquisadores concluíram que os dados coletados mostraram claramente que a ingestão adequada de selênio é necessária para manter o osso.